Segunda-feira, 20.11.17

Britániku atravesa Timor hosi rohan ba rohan iha menus oras 24 nia laran

Ultramaratonista inglés Scott Cunliffe sai ona, iha final hosi loron-domingu, atleta dahuluk ne'ebé maka halai entre kosta norte no kosta súl Timor-Leste nian, kompleta nune'e kilómetru 125 resin iha menus oras 24 nia laran. 

 

 

Grupu apoiante ki'ik ida, inklui balun ne'ebé akompaña Cunliffe iha prova tomak, hasoru malu iha kalan iha Palásiu Governu nia oin, iha Díli, ne'ebé iha marka ida hosi fatuk ne'ebé marka "kilómetru zero" no sai hanesan parte ikus halai nian.

 

Iha duni tuku 23:15 loron-domingu, liutiha oras 23 no minutu 37 hafoin halai hahú hosi kosta súl, Scott Cunliffe, ho tinan 43, hakotu kilómetru 125, 5 resin entre kosta rua hosi illa.

 

Viajen entre kosta súl, Tasi Mane, iha súl hosi vila Cassa, no Díli, sidade ne'ebé haleu hosi Tasi Feto tuir loloos inklui sa'e no tuun Foho Ramelu ho metru rihun tolu resin.

 

Cunliffe esplika katak ikusmai nia dezisit tanba nia kálkulu dahuluk hosi viajen ne'e aas liu duké kalkula antes (liu kilómetru 15) no sa'e ho tuun Ramelau sei aumenta liután halai ne'ebé liu ona máximu ida ne'ebé maka atleta ne'e halo to'o agora, kilómetru 102.

 

"Ha'u halo kálkulu sala no sa'e ba Ramelau sei aumenta distánsia maka'as duké ida ne'ebé ha'u hanoin katak bele no tanba ne'e ha'u la halo", nia esplika. "Importante maka halo hosi rohan ba rohan. Halo viajen hosi kosta súl to'o Díli. Nune'e objetivu prinsipal maka lori tan aventureiru sira, atleta sira, ema sira ne'ebé gosta halo eskalada, to'o iha Timor-Leste", nia afirma.

 

Maski parte barak hosi estrada sira Timor-Leste nian sei iha rekuperasaun, investimentu sira iha tinan hirak ikus ne'e implika atu estrada barak hetan ona ka sei hetan intervensaun. Nune'e, nia esplika ba Lusa bainhira to'o, katak estrada barak maka iha alkatraun sai hanesan dezafiu boot ida.

"Liuhosi metade iha alkatraun no ne'e kolen tebes. Ha'u gosta liu estrada sira ne'ebé kabeer maibé akontese ona", nia hatete.

 

Cunliffe, ne'ebé uluk nu'udar observador iha referendu independénsia Timor-Leste nian iha tinan 1999 - hafoin serbisu fali iha nasaun iha tinan 2003 no 2008 - agora daudaun halo viajen iha nasaun oioin hodi fó formasaun kona-ba ultramaratona sira no prova sira halai nian ho distánsia naruk.

 

"Halai ultramaratona ida hanesan todan tebes. Ho ritmu maratona ida hanesan ema oituan maka bele halo. Maibé maski neineik, hahú hosi 60 ka 70 bele sai susar tebes", nia esplika.

 

"Prinsipal maka kestaun mental ida, mantén atitude pozitivu ida. Ita tenki pratika, akumula kilómetru sira hodi ita bele prepara aan. Tinan ne'e ha'u halai dalabarak ona. Ó nia isin hahú hetan forsa no kapasidade", nia esplika.

 

Iha kazu ne'e, nia konsege halai ona besik 70% hosi kilómetru 75 dahuluk maibé hafoin ne'e konsege de'it 20% hosi kilómetru 50 ikus sira, ho kolen maka'as iha final hosi korida, nia hatete.

 

Klima ajuda ona, ho madrugada laiha kalohan sira no lalehan nakonu ho fitun sira, lalehan azul durante inísiu loron nian no hafoin ne'e, iha períudu ne'ebé manáns, kalohan ho udan sira ajuda ona halo ambiente fresku.

 

ho Lusa

Britânico atravessa Timor de costa a costa a correr em menos de 24 horas

O ultramaratonista inglês Scott Cunliffe tornou-se no final da noite de domingo o primeiro atleta a correr entre a costa norte e a costa sul de Timor-Leste, completando mais de 125 quilómetros em menos de 24 horas. 

 

 

Um pequeno grupo de apoiantes, incluindo alguns que acompanharam Cunliffe ao longo de toda a prova, reuniu-se ao final da noite em frente ao Palácio do Governo, em Díli, onde um marco de pedra que assinala o 'quilómetro zero' serviu como meta da corrida.

 

Exatamente às 23:15 minutos de domingo, 23 horas e 37 minutos depois de partir da costa sul, Scott Cunliffe, de 43 anos, terminou os mais de 125,5 quilómetros entre as duas costas da ilha.

 

A viagem entre a costa sul, o Tasi Mane (Mar Homem), a sul da vila de Cassa, e Díli, cidade banhada pelo Tasi Feto (Mar Mulher) deveria, inicialmente, ter incluído uma subida e descida aos quase 3.000 metros do monte Ramelau.

 

Cunliffe explicou que optou por desistir porque o seu cálculo inicial da rota ficou muito acima do esperado (mais 15 quilómetros) e que subir e descer o Ramelau aumentaria ainda mais uma corrida já muito além do máximo que o corredor tinha corrido até agora, 102 quilómetros.

 

"Errei nos meus cálculos e subir ao Ramelau ia aumentar ainda mais a distância muito além do que eu achava que conseguia e por isso optei por não o fazer", explicou. "O importante era fazer costa a costa. Viajar da costa sul até Díli. Sendo que o principal objetivo é trazer mais aventureiros, mais corredores, mais pessoas que gostem de escalada, até Timor-Leste", afirmou.

 

Ainda que grande parte das estradas de Timor-Leste esteja por recuperar, os investimentos dos últimos anos implicam que muitas já foram ou estão a ser alvo de intervenção. Daí que, explicou à Lusa à chegada, o facto de muitas das estradas estarem alcatroadas ter sido um dos maiores desafios.

"Mais de metade foi em asfalto e isso cansa muito. Preferia estradas mais macias, mas foi o que foi", disse.

 

Cunliffe, que esteve como observador no referendo de independência de Timor-Leste em 1999 - depois trabalhou no país novamente entre 2003 e 2008 - está atualmente a viajar por vários países onde dá formação em ultramaratonas e provas de corrida de largas distâncias.

 

"Correr uma ultramaratona é muito duro. Ao ritmo de uma maratona só muito poucos o conseguem fazer. Mas mesmo mais lentamente, a partir aí dos 60 ou 70 quilómetros torna-se muito difícil", explicou.

 

"O principal é uma questão mental, manter uma atitude positiva. Temos que praticar, acumular quilómetros para nos prepararmos. Este ano já fiz várias grandes corridas. O teu corpo começa a ganhar força e capacidade", explicou.

 

Neste caso, conseguiu correr cerca de 70% dos primeiros 75 quilómetros mas depois só conseguiu correr 20% dos últimos 50 quilómetros, com o cansaço a acumular-se significativamente no final da corrida, disse.

 

O clima até ajudou, com a madrugada a manter-se sem nuvens e com céus estrelados, céus azuis durante o inicio do dia e depois, no período mais quente, nuvens e chuvas que ajudaram a refrescar o ambiente.

 

Lusa

Quarta-feira, 15.11.17

Ultramaratonista inglés hakarak sai hanesan ema dahuluk ne'ebé atravesa Timor tomak

Ultramaratonista inglés Scott Cunliffe hakarak sai hanesan atleta dahuluk, iha findesemana ne'e, halai iha kilómetru 110 resin entre kosta norte ho kosta súl Timor-Leste nian inklui sae ba Foho Ramelau ne'ebé iha metru 3.000. 

 

 

"Hanesan dezafiu boot ida duni maibé ho nia ha'u hakarak bolu turista sira aventura nian mai Timor, ema sira ne'ebé halai, eskalador sira, ka ema sira ne'ebé hadomi natureza, ema sira ne'ebé maka iha interese iha turizmu kultural ka istóriku", nia esplika ba Lusa iha Díli.

 

Viajen sei hahú iha tuku 00:00 loron-domingu iha kosta súl, Tasi Mane, hosi súl vila Cassa nian, no hotu besik tuku 15:00 iha kapital timoroan, Díli, ne'ebé maka haleu hosi Tasi Feto.

 

Cunliffe ne'ebé maka halai durante tinan sanulu ona - no ho tinan rua esperiénsia iha halai esperiente sira - halo ona prova ida ho kilómetru 102, distánsia ne'ebé maka sei ultrapasa iha Timor-Leste ne'ebé nia dezafiu sira sei tau hamutuk ho "klima, temperatura ne'ebé aas".

 

"Mantén isin iha temperatura adekuadu ida hanesan importante. Konsege kontrola hidratasaun no nutrisaun hanesan importante. Ha'u sei iha karreta ida apoiu nian ho bee malirin ho jelu. Maibé bainhira iha liu humidade sei di'ak liután", nia afirma.

 

"Objetivu maka halai entre oras 15 no 17. Ha'u hein katak bele to'o iha Díli besik tuku 15 loron-domingu nian. Tempu ne'e inklui parajen badak sira hodi haan buat ruma, troka sapatu sira", nia esplika.

 

Cunliffe, ne'ebé uluk nu'udar observador iha referendu independénsia Timor-Leste nian iha tinan 1999 - hafoin serbisu fali iha nasaun iha tinan 2003 no 2008 - agora daudaun halo viajen iha nasaun oioin hodi fó formasaun kona-ba ultramaratona sira no prova sira halai nian ho distánsia naruk.

 

"Halai ultramaratona ida hanesan todan tebes. Ho ritmu maratona ida hanesan ema oituan maka bele halo. Maibé maski neineik, hahú hosi 60 ka 70 bele sai susar tebes", nia esplika. "Prinsipal maka kestaun mental ida, mantén atitude pozitivu ida. Ita tenki pratika, akumula kilómetru sira hodi ita bele prepara aan. Tinan ne'e ha'u halai dalabarak ona. Ó nia isin hahú hetan forsa no kapasidade", nia esplika.

 

Nia fó hanoin katak maski nune'e atleta ida ne'ebé halo prova hanesan ne'e "hasoru beibeik situasaun sira ka buat ki'ik ruma".

 

"Fatuk ida iha sapatu, bainhira ita la hasai kedas, bele sai hanesan problema todan ida iha tempu oinmai. Maibé buat hotu hanesan kestaun mental ida. Halo meditasaun, dalaruma ó halo reza ruma. Dalabarak ha'u hatama múzika", nia hatete.

 

"Parte ne'ebé maka mesak ne'e la inkomoda ha'u. Ne'e hanesan prátika egoísta ida. Ha'u gosta solidaun. Ita gosta espasu mental. Ha'u tenta konsentra máximu iha momentu. Ha'u foka iha respirasaun, hodi bele kalma", nia hatutan.

 

Hafoin ne'e buat hotu hanesan kestaun tátika ida no mós sorte. Ba dala uluk bainhira nia tenta eskala Foho Ramelau hosi súl nia la konsege. Nia ba lahó matadalan no bainhira nia hatene, nia haree katak nia iha besik parte ninin ida.

 

Agora nia hein katak bele iha matadalan hodi sa'e, hosi súl, ba foho ne'ebé aas liu iha Timor-Leste. No hafoin ne'e tuun, halai, to'o Díli.

 

ho Lusa

Ultramaratonista inglês quer tornar-se o primeiro a atravessar Timor de costa a costa

O ultramaratonista inglês Scott Cunliffe quer tornar-se no fim de semana o primeiro atleta a correr os cerca de 110 quilómetros entre a costa norte e a costa sul de Timor-Leste incluindo a subida aos 3.000 metros do Monte Ramelau. 


 

"É um grande desafio em si mas com ele quero também chamar turistas de aventura a Timor, corredores, escaladores, ou amantes de natureza, pessoas interessadas em turismo cultural ou histórico", explicou à Lusa em Díli.

 

A viagem deverá começar às 00:00 de domingo na costa sul, o Tasi Mane (Mar Homem), a sul da vila de Cassa, e terminar cerca das 15:00 na capital timorense, Díli, cidade banhada pelo Tasi Feto (Mar Mulher).

 

Corredor há 10 anos - e com dois anos de experiência em grandes corridas - Cunliffe já correu uma prova de 102 quilómetros, distância que será ultrapassada em Timor-Leste onde aos desafios se soma "o clima, a temperatura elevada".

 

"Manter o corpo numa temperatura adequada é essencial. Conseguir controlar a hidratação e a nutrição é importante. Vou ter um carro de apoio comigo com água fresca e gelo. Mas se estiver mais húmido será melhor", afirmou. "O objetivo é fazer a corrida entre 15 e 17 horas. Espero poder chegar a Díli cerca das 15 de domingo. Este tempo inclui pequenas paragens para comer qualquer coisa, trocar de sapatos", explicou.

 

Cunliffe, que esteve como observador no referendo de independência de Timor-Leste em 1999 - depois trabalhou no país novamente entre 2003 e 2008 - está atualmente a viajar por vários países onde dá formação em ultramaratonas e provas de corrida de largas distâncias.

 

"Correr uma ultramaratona é muito duro. Ao ritmo de uma maratona só muito poucos o conseguem fazer. Mas mesmo mais lentamente, a partir aí dos 60 ou 70 torna-se muito difícil", explicou.

 

"O principal é uma questão mental, manter uma atitude positiva. Temos que praticar, acumular quilómetros para nos prepararmos. Este ano já fiz várias grandes corridas. O teu corpo começa a ganhar força e capacidade", explicou.

 

Apesar disso, recorda, um atleta que faça uma prova deste tipo "está sempre suscetível a situações ou a pequenas coisas".

 

"Uma pedra no sapato, se não a tirares logo, pode tornar-se um problema grave mais tarde. Mas é tudo uma questão mental. Meditas, de vez em quanto fazes um mantra. Às vezes meto musica", contou.

 

"A parte de estar sozinho não me incomoda. Esta é uma prática egoísta. Eu gosto da solidão. Gostamos do espaço mental. Tento focar-me no momento o máximo possível. Foco-me na respiração, em ficar calmo", acrescentou.

 

Depois é tudo uma questão de tática e também de sorte. A primeira vez que tentou escalar o Monte Ramelau pelo sul perdeu-se. Ia sem guia e quando deu conta estava à beira de um precipício.

 

Agora espera ter guia para subir, pelo sul, à montanha mais alta de Timor-Leste. E depois descer, em corrida, até Díli.

 

Lusa

pesquisar

 

Fevereiro 2018

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

posts recentes

últ. comentários

  • Favor hakerek ho formato lolos:Boavista 0 - 1 FC p...
  • Kona ba ita nia selesaun futsal nian nebe dadaun n...
  • Tun ba posizaun 19 = desceu para a decima nona pos...
  • El sonido de una mágica voz.Veo, en la inmensidad ...
  • VIVA! Viva o BENFICA! VIVA! Viva o BENFICA!
  • VIVA! Viva o BENFICA VIVA Viva o BENFICA</b!!!
  • nossa show de bola, parabéns!Very good mens!
  • Manan na'in ba tinan 2013 mak husi ekipa Eni Timor...
  • acho que esta horario incompleto, porque so estava...

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO

Atletismo