Mexit: A queda de um ´Deus` maior

Aos 29 anos, Messi afirmou que não voltará a jogar pela sua seleção. 

 

Foto: Larry W. Smith/EPA

 

Lionel Messi abalou o mundo do futebol ao renunciar à seleção argentina. Depois de perder a final da Copa América, outra vez para o Chile, o capitão da Argentina não aguentou a frustração e anunciou que o melhor é a seleção seguir outro rumo enquanto ele se vai concentrar apenas no seu clube, o Barcelona.

 

O mundo de futebol espera que a decisão de Messi, tomada no calor do momento, no meio de tanta frustração, seja apenas temporária. Que o craque volte atrás, que reconsidere. Mesmo sendo dos jogadores mais criticados pelos adeptos na seleção ´albiceleste`, Messi está destinado a bater todos os recordes na seleção da Argentina.

 

Aos 29 anos, já é goleador máximo da Argentina, com 55 golos em 113 jogos. Na seleção albiceleste disputou três mundiais e quatro Copas Américas e conseguiu chegar a quatro finais, todas perdidas: Mundial2014 e Copa América 2007, 2015 e 2016.

 

Cinco vezes vencedor da Bola de Ouro (nenhum outro jogador tem tantos troféus de Melhor do Mundo), detentor de vários recordes no Barcelona e na Liga Espanhola (453 jogos pelos blaugrana e 312 na Liga), de vários títulos coletivos (Oito Ligas Espanholas, quatro Liga dos Campeões) e individuais (bateu o recorde de Gerd Muller como melhor marcador de sempre num ano civíl, 86 golos no ano de 2012), a verdade é que o craque continua sem vencer qualquer título pela sua seleção.

 

 

Fonte: SAPO Desporto