O alemão que já viu futebol em 155 países, incluindo hoje em Timor-Leste

Markus Binder, alemão natural de Estugarda, 31 anos, tem um 'hobby' que fará inveja a muitos e a que hoje acrescentou um passo, na capital de Timor-Leste, o 155.º país que já visitou para ver futebol.


"Visito os países para ver futebol e depois fico sempre uns dias para os conhecer", explicou à Lusa, entre uma foto e outra, durante o encontro de qualificação para o Mundial de 2018 hoje, entre Timor-Leste e a Palestina (que acabou com um empate a uma bola) no Estádio Municipal de Díli.

 

Trabalha na área do marketing, mas vai aproveitando as viagens e os muitos jogos de futebol que tem visto para "escrever umas coisas" para uma pequena publicação alemã.

 

O objetivo, disse, é escrever um livro sobre um 'hobby', que não sabe explicar exatamente quando começou: se no primeiro jogo que viu em Estugarda, "com 13 ou 14" anos, se no primeiro grande, em 2000 - a vitória da Alemanha sobre a Inglaterra em Wembley.

 

Desde aí, já esteve em todo o mundo, aproveitou dois anos inteiros a viajar - 2010 a 2012 - para somar grande parte dos países visitados, e conseguiu ver um pouco de tudo, desde grandes encontros entre grandes seleções até "um pequeno encontro da liga nas Seicheles onde estavam 40 ou 50 pessoas".

 

O alemão chegou hoje a Timor-Leste, onde vai ficar até dia 14, o que lhe permite ver o jogo de hoje e o próximo da seleção timorense, contra a Malásia, do grupo A de qualificação para o Mundial de 2018.

 

Binder disse que não gosta muito de dar entrevistas e explicou que o mais interessante é poder visitar alguns dos países mais pequenos e menos visitados do planeta, como é o caso da Papua Nova Guiné, várias ilhas-Estado no Pacífico, o Butão ou, agora, Timor-Leste.

 

Entre os países da lusofonia, já só falta Cabo Verde e São Tomé e Príncipe - esteve já na Guiné Equatorial e até viu futebol no território de Macau.

Binder explicou que vibrou com as claques na Argentina, "há uns anos", que adorou o futebol na América Latina e que, salvo uns assaltos pequenos, que tem tido sorte durante as suas viagens.

 

"Tem sido bom. Vou vendo os grandes encontros e depois os outros, mais pequenos. Já vi um jogo de futebol num estádio que era só o campo, de terra batida e os dois bancos das equipas", contou.

 

Uma longa viagem que deverá terminar quando visitar todos os mais de 200 países membros da FIFA. Mas admitiu que pode recomeçar, pelo menos para os países de que mais gostou.

 

@Lusa